terça-feira, 4 de abril de 2017

Dentro do tempo

mais tarde ou mais cedo
o rio sempre corre por onde
ele quer
apressado ou lento ele sempre
corre para o mar,escutando as
braçadas de espuma a cantar
presa nos meus olhos
estão as  lágrimas que não quero
chorar,
no beiral do telhado
estão suspensos os ninhos,
das andorinhas que todos os anos
hão-de voltar
a noite há-de também chegar
com as suas sombras a dançar
no patamar
também eu irei ao espelho do meu,
rosto corrigir  pequenos desgastes
que a ferocidade do tempo causou
a leve aragem das manhãs enevoadas
sussurrando queixumes,à revelia dos
meus dedos, falésias de magmas,
a transviar-me os sentidos,perdendo-me
dentro do tempo


por uky marques:
pub 4/4/ 2017:
imag  google:



Sem comentários:

Enviar um comentário